28 de maio de 2016

No mês de Maria, um testemunho por dia: nº 28



As palavras podem construir pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais, os povos. E isto acontece tanto no ambiente físico como no digital. (...)Também e-mails, sms, redes sociais, chat podem ser formas de comunicação plenamente humanas. Não é a tecnologia que determina se a comunicação é autêntica ou não, mas o coração do homem e a sua capacidade de fazer bom uso dos meios ao seu dispor. As redes sociais são capazes de favorecer as relações e promover o bem da sociedade, mas podem também levar a uma maior polarização e divisão entre as pessoas e os grupos. O ambiente digital é uma praça, um lugar de encontro, onde é possível acariciar ou ferir, realizar uma discussão proveitosa ou um linchamento moral. Rezo para que o Ano Jubilar, vivido na misericórdia, «nos torne mais abertos ao diálogo, para melhor nos conhecermos e compreendermos; elimine todas as formas de fechamento e desprezo e expulse todas as formas de violência e discriminação» (Misericordiae Vultus, 23). Em rede, também se constrói uma verdadeira cidadania. O acesso às redes digitais implica uma responsabilidade pelo outro, que não vemos mas é real, tem a sua dignidade que deve ser respeitada. A rede pode ser bem utilizada para fazer crescer uma sociedade sadia e aberta à partilha. (Papa Francisco, Mensagem para o 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais, 24 de Janeiro de 2016) 
Já há algum tempo o Espírito tem me conduzido a estar a seu serviço também através dos meios de comunicação. Por meio do telefone e da internet (por este Blog, por exemplo, mas também pelas redes sociais) são muitas as vezes em que sou colocada na situação de estar servindo a Deus, à Igreja, ao próximo. Desde os cuidados com perfis de páginas que administro dentro dos trabalhos missionários na comunidade eclesial, quanto escuta, atendimento, orações e partilhas que mantenho com irmãos de caminhada que me procuram pelo Facebook, Twitter, email, whatsapp e telefonemas.
Como bem disse o Papa, não é o meio que determina a qualidade da comunicação, mas a maneira como esta é conduzida. Se é verdade que a polarização e divisão é algo possível dentro deste contexto, com sabedoria e unção é possível fazer muito bem por meio das novas tecnologias! Eu sou testemunha disso! 
É óbvio que os meios de comunicação nunca devem substituir e eliminar o contato direto e pessoal com as pessoas, mas na impossibilidade deste, é perfeitamente lícito e benéfico a comunicação por esses meios. Quem as rejeita normalmente são deficientes em comunicação por outros meios também, e se colocam obstáculos para manter contato por telefone ou rede social, quase sempre tem dificuldades pessoais para conviver com as pessoas em outras áreas também, por exemplo nas áreas da afetividade, sociabilidade, área psicológica ou até mesmo espiritual. Não podemos nos fechar para o contato com os irmãos pelas vias que o Senhor nos disponibiliza, sejam virtuais ou presenciais! Quem se fecha, precisa de fato repensar suas posições, ter conhecimento das orientações do Vaticano neste sentido, procurar a cura de suas feridas e vulnerabilidades pessoais neste campo da integração social pela via do mass media e avançar para águas mais profundas, para o anúncio de cima dos telhados! Isso também é cultura do encontro, tão insistentemente proposta pelo Papa Francisco! Mas quem não a implementa de forma presencial, quanto menos por meio digital o fará... Pena! Quem perde é quem se fecha! 
Tantas vezes mantive longos diálogos e partilhas com irmãos que precisam muito de um ombro amigo para desabafar, alguém com um pouco de disponibilidade e empatia por sua dor para dividir seus fardos e que só poderiam fazer (ou por impossibilidade física do encontro presencial, ou por que se sentiam mais à vontade) por esses meios eletrônicos! Pessoas conhecidas e outras que nunca cheguei a conhecer pessoalmente (pois vinham a mim por sugestão de algum amigo em comum)... 
A todos procurei tratar como a Virgem Maria os trataria, com caridade e verdade, como ela ensinou a Jesus e como muitas vezes vemos ilustrado nos evangelhos. Espero e peço a Deus que tenha sido útil em minha imperfeição e boa vontade... Sei que a muitos desagradei por passar a voz da Bíblia e da Igreja sobre o que tinham dúvidas, quando queriam um tapinha nas costas! Sei que muitas vezes falei o que não queriam ouvir, mas jamais poderia dizer algo que não fosse embasado na Palavra Divina! Meu compromisso é sempre prioritariamente com Deus, com a Verdade, e nisso não posso ficar preocupada em agradar os homens... Minha receita, sob orientação do meu esposo Juliano, é sempre "empatia com suas dores e a resposta católica para a questão apresentada". Não dá para fugir disso... Oxalá tenha agradado realmente a Jesus e à Virgem em meus esforços!...
Comecei a perceber que se tratava de verdadeiro apostolado (que nomeei de apostolado do email, apostolado das redes sociais, em suma, a "Pastoral da internet!) pois de fato é algo corriqueiro, concreto, para o qual notei que precisava me preparar com estudos e oração pois o Espírito estava se utilizando de mim para um propósito. Foi o que fiz! Comecei a jejuar, orar especificamente para este serviço, interceder pelas pessoas que me procuravam por esses meios, estudar e pesquisar para os temas que apresentavam dúvidas, etc. Tudo cercado de grande batalhas espirituais, mas sob a proteção amorosa de Nossa Senhora, Rainha do Universo!
E chegou o tempo em que Nossa Senhora me solicitou uma consagração especial do meu celular e notebook para a causa do Evangelho, da escuta, do pastoreio que vinha realizando por meio deles. Não tive dúvidas nem receio: os consagrei totalmente para esse fim! São meros objetos, mas são consagrados a Nossa Senhora para a causa do Evangelho de Seu Filho Jesus. De fato os coloquei aos pés de uma imagem de Nossa Senhora das Graças e os entreguei a ela, clamando pelo nome de Jesus para que fossem instrumentos de serviço evangélico, de escuta e de anúncio, conforme a condução do Espírito Santo. 
Peço perdão ao Senhor pelas vezes em que não consigo ser fiel a esse chamado, que falho ou não atendo às Suas expectativas, pela falta de formação específica para esta atuação, mas confio que nesta missão a maior atingida sou eu mesma! Sou eu que aprendo servindo, que amadureço nos sacrifícios do trabalho solitário e tantas vezes não valorizado, que aprendo a humildade sendo inúmeras vezes como uma voz clamando no deserto... Por isso clamo ao Espírito que me dê sempre a perseverança e a sabedoria para continuar comunicando Deus e suas obras da melhor forma que puder, para acolher aos irmãos que me procuram da melhor forma possível, com misericórdia e fundamentação na Palavra Bíblica que ilumina e liberta! Que Nossa Senhora continue a ser a dona desses objetos confiados a mim, para que eu os possa utilizar para o bem, para o amor, para ser instrumento de paz para quem precise, para que continue a estudar e me formar por meio deles e assim, mesmo em meio às minhas misérias e dificuldades, continue a crescer e servir. 
Por isso, Mãe Amada, reafirmo que meu celular e meu notebook, e todos os outros meios de comunicação que a Divina Providência colocar ao meu alcance são teus! Toma-os, Mãe Celeste, pois sei que sendo teus, a senhora os colocará aos meus cuidados para a divulgação da Palavra de Deus, para a propagação dos ensinamentos da Igreja, para a disseminação da Cultura de Pentecostes, para o testemunho da verdadeira devoção à Senhora, para o acolhimento misericordioso de todos os que por eles me procurarem. Perdoa-me, Virgem Santíssima, se às vezes fracasso nesses propósitos, a senhora sabe que nunca é por má fé mas por fraqueza, ajuda-me com suas bênçãos e graças! Tudo o que sou e tenho, querida Mãe do Céu, desejo que a vós pertença, pois tenho confiança de que sendo toda vossa, serei toda Dele, serei simplesmente feliz e terei paz. Assim, tudo consagro a Jesus, meu Mestre e Senhor, por vossa mãos, Mãezinha, hoje e sempre, AMÉM!