26 de maio de 2016

No mês de Maria, um testemunho por dia: nº 26


Todos nós deveríamos ter uma "rota de fuga" para momentos em que a solidão é a única possibilidade de pacificação, de colocar os pensamentos em ordem, respirar, rezar, se acalmar, silenciar. Jesus tinha a montanha (Mt 14, 23)! Era a sua rota de fuga, mas não fuga no sentido de escapar, se livrar, desistir e sim uma parada estratégica de descanso. E assim ensinou aos seus discípulos (Mc 6, 31): "Vinde à parte, para algum lugar deserto, e descansai um pouco." 
Assim, imitando o Mestre, a divina Providência separou para mim também a minha montanha, meu deserto, para descansar um pouco e silenciar, refletir, me acalmar em momentos de muita tensão. Este lugar é o Santuário da Mãe Peregrina aqui em Sobradinho-DF, o "Tabor da Esperança", da responsabilidade do Movimento de Schoenstatt, aquele que propaga a amabilíssima devoção à Mãe, Rainha e Vencedora, Três vezes Admirável de Schoenstatt, aquela da Capelinha que visita as casas!


Já há algum tempo aprendi a "fugir" para este refúgio que considero particular, ainda que público, pois me sinto como na Casa da Mãe mesmo! Quantas e quantas vezes precisei desesperadamente de silêncio, de um espaço para respirar, para pensar e foi justamente ali que consegui a paz que sempre quis, no silêncio que estava difícil de realizar! Muitas vezes cheguei ali chorando, com taquicardia, em crise, com sentimentos tão intensos que chegavam a me doer no corpo! E naquela capelinha minha respiração voltou a se tranquilizar, minhas lágrimas foram cessando, minha raiva foi se tornando oração... Só na presença eucarística, no colo da Mãe Peregrina, isso foi e é possível pela minha experiência! 
Eu sou uma pessoa extremamente ansiosa, de fato tenho um diagnóstico psicológico deste mal que precisava tratar com mais cuidado... Infelizmente, por diversos fatores, ainda não pude dedicar essa atenção com um profissional gabaritado em terapia específica. Minha única saída é a via da racionalização dos acontecimentos, alguns exercícios de respiração, algumas atividades que já percebi que me acalmam (como fazer faxina ou uma longa caminhada) e, principalmente, a oração! Quem sofre de ansiedade sabe que, sem que a gente possa controlar, os sentimentos de aflição vem, influenciam a respiração, interferem nos batimentos cardíacos, nos fazem tremer e suar, aceleram os pensamentos num pessimismo e irritação que, por mais que tentemos ponderar racionalmente, não conseguimos refrear. Quando esses sintomas me atingem, preciso desesperadamente da presença do Mestre, no colo da Mãe. Tem horas que só uma abraço de amor pode serenar nosso corpo, nossa alma, nossos pensamentos, nosso coração. 
No colo da Mãe, em seu Santuário, ela me expõe a seu Filho Jesus e um milagre acontece em 100% das vezes que precisei deste socorro: a paz de Cristo me alcança! É como a tempestade acalmada! Na presença eucarística, o mar revolto dos meus sentimentos e os ventos fortes que atingem minhas emoções se amansam quase que imediatamente diante da autoridade de Jesus. Os dragões que me atormentam se detêm diante da Mulher do Apocalipse 12. Ela, por licença especial Dele, pisa as cabeças das serpentes que me perseguem querendo me perder e nestes instantes místicos e de intimidade, me sinto absolutamente protegida, pacificada, salva. 
Basta uns minutos naqueles bancos para que eu retorne à consciência de que não estou só: Jesus e Maria estão sempre comigo! Nunca, NUNCA saí do Santuário da Mãe Peregrina decepcionada, com a mesma agitação com que cheguei! Sempre recebi a benção da iluminação interior, de um banho de amor, o carinho espiritual, a consolação que ultrapassa qualquer palavra que eu consiga utilizar aqui na tentativa de descrever essa grande bênção. Só experimentando mesmo para ter a noção! De fato, é uma sensação de estar em casa depois de enfrentar uma longa viagem pelos caminhos atribulados deste mundo tenebroso, as guerras cotidianas das pressões sociais, das lutas contra o pecado, das batalhas espirituais, do peso das responsabilidades das missões que assumimos. 
Louvo a Deus pela minha montanha, meu "Tabor da Esperança"! Agradeço a Mãe Peregrina por me acolher sempre em sua morada e me dar o colo que preciso para prosseguir! Peço a Jesus que você, que lê esse testemunho agora, que ainda não tem uma "rota de fuga" para seus momentos de necessidade, que você possa ser encaminhado para um lugar especial assim. Que a Virgem Santíssima possa abrir portas e portões e providenciar um local de deserto, onde ela possa te acolher e te mostrar a Jesus, bendito fruto de seu ventre! Que neste local você possa viver essa experiência tão bonita de ser curado pelo silêncio, de ser banhado pela graça, de ser reconstituído em sua humanidade cansada e ferida, sempre na presença de Jesus e de Maria, nossa família celeste! Pelo nome de Jesus, peço essa graça em sua vida, assim como eu tenho na minha, AMÉM!