16 de maio de 2016

No mês de Maria, um testemunho por dia: nº 16



Continuando com as partilhas sobre a presença e intervenção de Nossa Senhora em nossa história, hoje relato a grande bênção que foi a compra, manutenção e construção de nossa casa. Morávamos de aluguel e participávamos de um consórcio imobiliário. Mas as contas estavam apertando e cogitamos abrir mão desse consórcio, mas Maria não permitiu. Ela realmente nos guiou nesse momento, providenciando um empréstimo para que déssemos um lance e conseguíssemos o montante para comprar um lote. No momento certo, na 'hora de Deus', encontramos o lote certo, pelo preço exato, no local que pensávamos, do jeito que queríamos. Em todas essas etapas e detalhes Maria nos guiou, abriu portas, providenciou tudo o necessário e finalmente compramos nossa casinha: um lote grande, com uma casa pequena construída num canto (deixando o resto do lote liberado para uma futura construção), dois quartos, churrasqueira e até uma piscina! Era muito simples, mas muito melhor do que eu tinha sonhado! Perfeita para um casal com uma filha, como nós na época.
Já partilhei que, por ocasião de nossa viagem para Portugal no 5º ano de casamento, abrimos mão de dar início à construção de uma casa maior (que era o plano original) para que meu esposo Juliano pudesse cursar o mestrado em Lisboa. Em nosso retorno, ainda esperamos alguns anos para termos a possibilidade de começar a planejar isso de novo, por causa de questões financeiras. Quase abrimos mão de tudo, pensamos em comprar outro imóvel, mas por orientação de Padre Cláudio Ambrósio, nosso pároco na época, repensamos, colocamos em oração, e procuramos uma arquiteta para fazermos um esboço do nosso sonho. Segundo o caríssimo padre, tratava-se de uma promessa do Senhor que não deveríamos impedir de acontecer por iniciativas humanas. Seguimos seus conselhos. Como confirmação desse encaminhamento, recebi nesta mesma época, de uma amiga serva do Grupo de Oração São Vicente, Brígida Reges, um chaveirinho de uma chave de casa de uma peregrinação ao Divino Pai Eterno. "Tomei posse" do que acreditei ser uma bênção especial para começarmos a empreender a estruturação da nossa casa.
A primeira arquiteta que procuramos foi um doce de pessoa, nos atendeu muito bem, nos ouviu e colocou no projeto tudo, tudo mesmo que pedimos! Resultado: ficou um projeto faraônico, ousado, que provavelmente custaria uma pequena fortuna e que levaria um bom tempo para colocar de pé. Por providência divina, e cremos, por cuidado de Maria, entramos em contato com um outro arquiteto e engenheiro, Carlos Rolim, tio da minha cunhada Tauana (casada com meu irmão), que foi colocando tudo de uma forma bem pragmática, sobre custo-benefício da obra, os gastos, a perspectiva de venda no futuro dentro da realidade da nossa cidade, etc. Neste momento, sentimos no coração de que o importante naquele momento não era ter tudo o que queríamos, mas aceitar o cumprimento das promessas de Deus de um jeito viável e razoável. Assim, fizemos um outro projeto que caiu em nosso coração de maneira sobrenatural e finalmente, iniciamos a empreitada. 
Em cada fase, cercávamos de oração, clamávamos a intercessão de Maria, rezávamos, abençoávamos, intercedíamos pelos responsáveis, pelos funcionários, pelos equipamentos, pelos materiais, por tudo! Tivemos pouquíssimos contratempos durante todo o ano da construção e sempre coisas simples de resolver, nas quais Maria sempre passava à frente e ajudava-nos, clamando pela ação de Seu Filho Jesus que nunca faltou. 
Um ano e meio depois do início das obras, estávamos limpando a casa para entrar e fazendo a mudança da casinha em que morávamos nos fundos para nosso sonho, direto das Mãos de Maria. Na "casa velha", como ficou chamada pelos pequenos (à época, nossos quatro filhos), três crianças dividiam um quarto, o bebê ficava em um outro quartinho bem pequeno, o casal em um outro espaço improvisado do que antes era a Copa, a cozinha era uma espécie de "corredor" e tínhamos apenas um banheiro para todos... era realmente muito apertado! O teto era baixo e como não tinha laje, apenas um forro de gesso, o calor era muitas vezes insuportável. O chão do banheiro estava com infiltração e ficando fofo por baixo da cerâmica... Fizemos orações por isso, penitências, peregrinações, sacrifícios, trabalhos extras, economias, tudo o que vocês imaginarem e finalmente estávamos nos mudando para uma casa onde todos tinham seu espaço. 


As primeiras coisas que levei para a "casa nova"  foi a Santa Bíblia e uma imagem da Sagrada Família e nessa ocasião, o Espírito me deu um trecho bíblico que está em Hebreus 3, 4: "Toda casa tem seu construtor, mas o construtor de todas as coisas é Deus". O Senhor prometeu, o Senhor cumpriu. Nossa Senhora abençoou e intercedeu, e vimos as promessas de Deus se concretizando em nossas vidas. Nos mudamos em agosto e em janeiro estávamos os seis em Aparecida do Norte- SP, no Santuário de Nossa Senhora Aparecida, "pagando nossa promessa" de agradecer na Casa da Mãe toda a generosidade dela e do Filho Jesus em resguardar nossa família e proteger nosso lar em um local preparado com todo amor e cuidado para ser morada deles e nossa, depois de tantas lutas e renúncias. 
Nossa casa é templo da Sagrada Família, aberta aos familiares e à Igreja para reuniões, formações, evangelizações, confraternizações... Tudo o que for útil! Os anjos habitam aqui, somos protegidos e abençoados mesmo, e em tudo agradecemos constantemente ao Senhor por sua fidelidade e imensa bondade. E agradecemos também a São José e a Nossa Senhora, sempre presentes e atuantes em intercessão e proteção a nós. Nossa vida é entregue mesmo à Sagrada Família, preparamos uma capelinha no 2º andar dedicada a esta santa e amada família onde estamos frequentemente reunidos em oração, louvor e agradecimento a tanto bem que recebemos. Sempre digo que nem toda nossa vida entregue à oração, às missões, ao testemunho seria suficiente para agradecer todo bem que recebemos. Obrigada, São José, obrigada Maria, nossa Mãe! Obrigada, Jesus!