17 de maio de 2016

No mês de Maria, um testemunho por dia: nº 17



Nossa Senhora Aparecida teve sempre uma participação especialíssima em nossa história. Desde a época de nosso noivado, iniciamos uma peregrinação no dia 12 de Outubro (saindo de Sobradinho e indo até a Catedral Metropolitana de Brasília) por ocasião do Grande Jubileu com nossos amigos de grupo jovem. Essa experiência foi lançando uma sementinha especial de devoção à Mãe Aparecida em nós! Nessa peregrinação pedimos pelos jovens de Sobradinho (essa era a intenção inicial), mas eu pessoalmente já fui pedindo pelo nosso casamento, pela nossa futura família, pelo nosso futuro. 
Quando noivamos conseguimos comprar uma casinha num condomínio simples em Sobradinho II, próximo a uma Capelinha (hoje paróquia) Nossa Senhora Aparecida. Já fui percebendo os cuidados de nossa Mãezinha Aparecida conosco. Eu, que sempre tinha me apegado ao título de Nossa Senhora das Graças, via a manifestação da Mãe de Jesus sob a figura de Nossa Senhora Aparecida em minha história. É obvio que eu sei que é a mesma Mãe do Céu, Maria de Nazaré, mãe de Jesus dada a nós aos pés da Cruz, mas cada aparição da Mãe tem seus ensinamentos próprios. 
E assim foi em nosso casamento, na lua de mel, nos primeiros anos de casados, nas minhas gestações... Em cada gravidez a presença de Nossa Senhora Aparecida se evidenciava sobrenaturalmente em providência de doações, das coisas que conseguíamos comprar, nos pré-natais, nos exames... Nos momentos de alegria e nos de tristeza: Maria esteve presente em cada uma das minhas 6 gestações, as que terminaram com um feliz parto e as que eu perdi (essa história fica para uma próxima postagem). 
Na realização do nosso sonho de ter uma casa, como também já compartilhei em outro post desse blog, desde a compra, passando pela manutenção com muito sacrifício quando moramos fora, até todo o processo de construção: sempre clamamos em todo momento por nossa Mãe Aparecida e ela sempre compareceu em bênçãos e graças para nós. Já por três vezes fomos a Aparecida do Norte em São Paulo para agradecer a Jesus por sua misericórdia e pela companhia constante de seu pai (São José) e sua mãe em nossa trajetória! Também as peregrinações anuais do dia 12 de Outubro continuaram e continuam até hoje e só não participamos por motivos de saúde ou viagem indispensável, mesmo assim permanecendo unidos ao grupo em intercessão. 
Enfim, Nossa Senhora Aparecida tem sido como aquela nuvem diante do povo hebreu no Êxodo, sempre indo à nossa frente, levando Jesus, abrindo portas e caminhos, protegendo, livrando, com seus "sins" e com seus "nãos", com suas ações e seus silêncios de acordo com a graça do Espírito Santo que continua a agir nela e por meio dela. 
Por fim, nos últimos tempos, ainda um sinal de amor e eleição a Mãe Aparecida preparou para que nós tivéssemos a absoluta certeza de sua presença constante em nosso relacionamento. Do outro lado da BR que fica por trás de nossa casa foi construída, finalmente, uma Igreja de alvenaria para a Capelinha que havia lá há muitos anos, construída precariamente de madeira. Vocês já devem imaginar o nome do Templo, né? Isso mesmo, Igreja Nossa Senhora Aparecida! Foi colocada em uma torre uma grande imagem da Mãe do Céu Morena, bem voltada para nossa casa, abençoando nossa vida constantemente! Da janela do meu quarto, vejo sempre a Mãe! É incessantemente, dia após dia: "Bom dia, Mãe!", "Oi, Mãe!", "Boa noite, Mãe!", "Manda beijinho pra Mamãe do Céu!"... Que cotidiano maravilhoso! Terços na varanda, consagrações da janela, conversas diárias com a Mãe com o auxílio daquela grande imagem colocada com tanto sacrifício de nosso vigário, Padre Ângelo, responsável por essa obra, estrategicamente à nossa frente, para nossa constante memória: Ela está cuidando de nós! Obrigada, Senhor Jesus! Acolhemos nossa Mãe Aparecida e vivemos seu mandato: eis aí sua Mãe! Viva a Mãe de Deus e nossa!! Salve, ó Senhora Aparecida!