30 de outubro de 2011

O poder a quem de direito



Por várias e várias vezes fui procurada por amados filhos do Pai com uma dúvida recorrente: é possível que algo que alguém tenha dito, ou melhor, "maldito" tenha alguma influência sobre minha vida? Em que medida alguma maldição lançada sobre mim tem efeito? Praga pega?
Sobre esse tema, compartilho primeiramente um vídeo com uma explicação excelente do Pe. Fábio de Melo que, em menos de 7 minutos esclarece tudo com a eloquência que lhe é peculiar. Vale a pena assistir:


Gostei muito também da resposta de Dom Estevão Bettercourt a uma moça que estava passando uma fase ruim e que não entendia tudo o que estava passando. Leia acessando o link abaixo:


Para completar a ideia, esse texto explica muito bem a dinâmica bênção/ maldição fundamentada na Bíblia:



Meu irmão, minha irmã, como de costume serei franca e direta. Faço isso apoiada na Palavra e crendo que a verdade tem o poder de libertar por que Cristo me atesta isso (Jo 8, 32) e Ele é digno de fé. 
Aquele que desconfia que alguma maldição está atuando em sua vida fechou o cadeado de suas próprias correntes. Quando se desconfia que uma praga foi lançada em sua vida e se considera que aquelas palavras tem poder sobre si, a necessidade de libertação é urgente!
 

Deus não nos criou para vivermos acorrentados! Jesus não deu até a última gota de sangue na Cruz para que nós tivéssemos vida de escravos de senzala, sem dignidade, sem liberdade. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou (Gal 5, 1). Foi para o infinito e para o eterno que ele veio ser a Porta (Jo 10, 9)!
Está na hora de abrirmos a porta da gaiola, da jaula que nos aprisiona e voarmos livremente, guiados pelo Espírito Santo de Deus!

Para todas as questões que muitas vezes se faz ligação com a "praga", a maldição, todas: os insucessos, a vida "amarrada", o temor de que coisas sobrenaturais estejam atingindo a vida etc, para tudo isso, na grande maioria das vezes, as explicações são meramente naturais e humanas, e não sobrenaturais e espirituais. Na grande maioria das vezes, são apenas as consequências de nossas próprias opções.
Muito de tudo isso que acontece em nossas vidas e que somos tentados a atribuir a alguma praga ou maldição, se deve às nossas próprias escolhas e atitudes. É sempre muito benéfico dar uma parada e refletir: "quanto disso tudo foi eu mesmo(a) que escolhi?" Quando fazemos isso, muitas vezes descobrimos que não foi nada exterior, mas resultado, direta ou indiretamente de nossas escolhas. Nossa vida, a grande maioria das vezes, é feita dos passos que nós mesmos damos e, nessa perspectiva, o que alguém fala ou deixa de falar não faz diferença, a não ser que a gente permita. Com certeza queremos e tentamos fazer o melhor, mas muitas vezes, não fazemos as melhores escolhas aqui e acolá e juntando as outras variáveis externas, algumas vezes a nossa vida muda. Dessa forma é preciso meditar e perceber a realidade, tal qual ela é. 

Entretanto, muitas vezes, as pessoas realmente lançam palavras malditas sobre nós. Mesmo sendo pessoas de fé, de caminhada, ficamos abalados com isso. E quando coincide de após esse episódio as coisas mudarem em nossa vida, sentimo-nos estremecer. Mesmo quando racionalmente não acreditamos nessas coisas, mesmo que pela nossa fé nos neguemos a acreditar, diante da falta de respostas práticas, diante do medo do inexplicável, diante da nossa própria falta de reflexão pessoal, ficamos meio que, sei lá... Se não é isso, então...?

 E acaba que tudo isso passa a ter um impacto, um "poder" muito grande sobre muitos de nós, a ponto de mandar em nossas vidas, como se fosse um carcereiro de nossas prisões particulares. É possível que a gente venha permitindo ficarmos encarcerados(as).  Mas deixa eu te contar uma coisa maravilhosa: Jesus tem a chave da sua liberdade e está já há muito tempo estendendo-a para que você a pegue.

Eu entendo que, como disse o padre no vídeo do primeiro link, para que coisas, situações e pessoas exerçam poder sobre nós, é necessário que a gente permita. Você é quem controla o que tem poder ou não sobre você. Só você pode dar acesso à maldição sobre você, da mesma forma que só você pode pegar a chave que Jesus te estende e ser livre. Só você pode RETIRAR ESSE PSEUDO- PODER de todas essas coisas, pessoas, situações e transferir esse poder para quem de direito: o Deus Todo-poderoso, na pessoa de Jesus. Ele não agirá contra a sua liberdade, está em suas mãos essa escolha.

Muitas vezes nossas fragilidades pessoais, dores que vivemos, maldades que os outros fazem conosco, desamor, rejeição, falta de fé exercida concretamente, fazem que se abram em nós brechas para o mal, seja o mal que habita em nós mesmos (Rm 7, 17), seja o mal exterior (do mundo, 1 Jo 2, 16; ou do próximo, Jo 15, 20; Lc 21, 12), seja para "o" Mau, o Pai da Maldade (Jo 10, 10). Eu penso que isso não seja impossível, contanto que haja esse acesso de nossa parte, essa brecha aberta! Esse mau não pode ter poder em nossas vidas, nós não podemos permitir. E eu rogo a Deus que sempre haja em minha vida alguém para me "chacoalhar" quando eu estiver dando poder ao mau em minha vida. 

Meu caro irmão, minha cara irmã, o que eu quero dizer com isso, de forma prática, é que você deve entregar o poder que vai ser exercido em sua vida a Jesus e a nada e ninguém mais. Nem sequer  a você mesmo (a).

A carta de São Paulo aos Filipenses, capítulo 2, versículos de 6 a 11 diz que Jesus é de condição divina, é Deus. Que mesmo sendo Deus, Ele abriu mão de sua condição divina e se aniquilou, se assemelhou aos homens, tomando a natureza humana em sua condição de escravidão, subjugada pelo pecado, embora Ele mesmo não tivesse nunca tomado parte com o pecado (Heb 4, 15). Foi reconhecido exteriormente como homem e, como se isso já não fosse humilhação suficiente, se humilhou ainda mais por obediência ao Pai até ao ponto de aceitar morrer, e não qualquer morte, mas morte de cruz, para que fossemos livres. Por isso o Pai o exaltou e lhe deu um nome, O NOME, este nome que tem poder e que está acima de todo outro nome, de todo mau, de toda vicissitude dessa vida transitória. Esse Nome está acima de qualquer mera palavra, quer seja bendita, quer seja maldita, pois Ele é “a” Palavra do Pai, o Verbo encarnado.

A esse nome, todo joelho se dobra, nos céus, na terra e nos infernos. Por todo joelho entenda-se todo joelho, toda situação, toda palavra maldita lançada, todo ódio e inveja, todo insucesso, todo obstáculo, toda dor, toda perda, tudo. Tudo se dobra diante desse Nome, nada é páreo para Jesus. Nada nem ninguém está a sua altura. Nada nem ninguém tem poder diante de Sua presença. É preciso confessar com nossa língua e crer com nosso coração que Ele é o Senhor (Rom 10, 9-10), e colocá-Lo nessa posição de Senhor. É preciso devolver a Deus a condição de Todo-poderoso em nossas vidas.


Isso se consegue em oração. A batalha é espiritual, mas tem reflexo na vida como um todo. 

É preciso mesmo fazer orações de renúncia das maldições que permitimos que entrassem em nossa história, de toda maldade que lançaram sobre nós e nós aceitamos, renunciar mesmo as nossas dores para que seja possível a cura, a libertação da parte de Deus. É preciso proclamar o senhorio de Jesus em todas as áreas de nossa vida e expulsar de nosso corpo, nosso trabalho, nossa família tudo o que quer exercer poder sobre nós, no lugar de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não admitir que outras coisas, pessoas, situações, sentimentos tenha esse impacto tão grande em nossas vidas. Somente Jesus. É muito útil se tivermos ajuda nisso, alguém que imponha as mãos sobre nós e reze.

Assim sendo, podemos orar com fé:

“Senhor Jesus Cristo, creio que Tu és o Filho de Deus e o único caminho para Deus, que morreste na cruz por meus pecados e por mim foste ressuscitado dos mortos.
Com fundamento no que fizestes por mim, eu creio que as reivindicações de Satanás contra mim estão canceladas em tua cruz.
E assim, † Senhor Jesus Cristo, eu me submeto a Ti e me comprometo a servir-Te e a obedecer-Te.
Nesta base, eu tomo posição contra qualquer força maligna das trevas que, de alguma forma, tenha vindo à minha vida – quer por meus próprios atos, quer por atos de minha família ou de meus antepassados, ou de alguma coisa mais que eu não esteja a par. Onde quer que haja sombra na minha vida, quaisquer forças malignas, eu renuncio a elas agora, Senhor.
Recuso-me a submeter-me a elas por mais tempo, e no Nome poderoso de Jesus, † o Filho de Deus, tomo autoridade sobre todas as forças do mal que me atormentam, desligo-me delas e liberto-me totalmente do seu poder.
Eu invoco o Espírito Santo de Deus a invadir o meu ser e a fazer minha libertação e desligamento do mal, inteira e realmente, como somente o Espírito de Deus pode fazer.
Em nome de Jesus Cristo. Amém!”
Creio em Deus Pai Todo-Poderoso (reza-se o Creio completo)…
(Padre Marcelo Rossi)