16 de abril de 2013

Vós sempre resististes ao Espírito Santo!




“Homens de cabeça dura, insensíveis e incircuncisos de coração e ouvido! Vós sempre resististes ao Espírito Santo!” (Atos 7, 51) Assim dizia Santo Estêvão, instantes antes de morrer por sua Fé em Cristo.

Sobre essa perícope, o Missal cotidiano da Assembleia Cristã (Ed. Paulus, pg. 383-384) ensina que o Proto-mártir evidencia em suas palavras toda a recusa e rejeição do povo que, em sua trágica aventura ao longo da história da salvação diz “não” a Deus. O ápice dessa negação é a Cruz para Cristo. Explica o Missal que “Estêvão não morre apenas por Cristo, morre como Cristo e com Ele”.

Jesus numa ocasião perguntou aos discípulos: “Para vocês, quem eu sou?” Foi Pedro, que também foi capaz de morrer por Cristo, como Cristo e com Cristo, que respondeu corretamente: “Tu és o Cristo!”. Diante dessa resposta, Jesus afirmou: “É necessário que o Filho do Homem padeça muitas coisas, seja rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas. É necessário que seja levado à morte e que ressuscite ao terceiro dia. Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, salvá-la-á” (Lc 9, 22-24).

Que proposta complicada! Jesus nos manda renunciarmos a nós mesmos; o mundo manda que valorizemos a nós em primeiríssimo lugar, sempre mais e mais. Ele nos manda tomarmos a nossa cruz, Satanás quer nos influenciar o tempo inteiro para que lancemos fora nossas Cruzes e gozemos livremente dos prazeres dessa vida. O Mestre convida-nos a segui-Lo, mas nossa carne com suas concupiscências muitas vezes quer trilhar outros caminhos, e não O Caminho que é Ele mesmo: Jesus!

Por nós mesmos, jamais conseguiremos cumprir essa proposta de Jesus! Por nossos méritos, nunca conseguiremos nos renegar, tomar cruz nenhuma e nem seguir o Mestre! Somos fracos, medrosos, vaidosos demais, preocupados apenas com nosso bem-estar... Somos, como acusou Estêvão, de fato cabeças-dura, insensíveis e “incircuncisos de coração e ouvido”! Resistimos a Deus, resistimos a Cristo, resistimos ao Espírito Santo, recusamos a proposta que nos traz a Palavra de Deus!  Como renunciar a mim mesmo?  Nossa carne canta como o antigo rock nacional: “Eu me amo, eu me amo, não posso mais viver sem mim!” Como tomar cruz? CRUZ? Sacrifício causa-nos horror! Tudo o que buscamos nessa vida é não ter dores, não sofrer! Seguir Jesus?

Bom, somos cristãos... Daí, infere-se, queremos seguir Jesus. Ele mesmo explicita: SE ALGUÉM ME QUISER SEGUIR, só se quiser... Mas queremos segui-Lo bem tranquilos, com muito amor, muita luz, estrelinhas, numa rede tomando coca-cola, daqui do alto das nossas teorias, indo para a Igreja uma vez por semana, suportando uma homilia de no máximo 15 minutos, não perdoado mesmo quando nós também precisamos de perdão...
Como estamos próximos do Sinédrio e distantes de Estêvão!!!

Mas como poderemos nos assemelhar a sua heróica adesão a Cristo, chegando ao ponto do martírio? Como seria possível a nós, pobres mortais, pecadores, com nossas vidas tão corridas, sempre ocupados conosco mesmos? Essa questão parece um túnel sem a luz no fim do túnel!

A resposta é simples: estando cheios do Espírito Santo. Sem Ele, nada pode ser feito. Com Ele, o impossível se torna possível. Se assim não fosse, não nos teríamos garantido Jesus quando exclamou que maiores obras nós faríamos se tivéssemos fé, e que Ele nos enviaria o Espírito Paráclito, o Espírito da Verdade, que ficaria conosco eternamente, que permaneceria conosco e, mais do que isso, EM nós! (Jo 14, 12.16-17)

Em Atos capítulo 6, versículos 8, 10 e 15, e capítulo 7, versículo 55, podemos perceber como Estêvão estava cheio do Espírito Santo!

Estêvão, cheio de graça e fortaleza, fazia grandes milagres e prodígios entre o povo.
Não podiam, porém, resistir à sabedoria e ao Espírito que o inspirava.
Fixando nele os olhos, todos os membros do Grande Conselho viram o seu rosto semelhante ao de um anjo.
Mas, cheio do Espírito Santo, Estêvão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus.

E nós?
Papa Francisco em mais uma de suas profundas homilias na Capela da Casa de Santa Marta (16/04/2013) no Vaticano, falando sobre esse trecho do Atos, afirmou: “Ao que parece, hoje o Espírito Santo nos incomoda, porque nos incentiva, empurra a Igreja para que vá adiante. E nós queremos que ele adormeça, queremos domesticá-lo, e isto não é bom porque Ele é Deus e é a força que nos consola, a força para prosseguirmos. Mas seguir avante dificulta... a comodidade é melhor!”

Com certeza não é assim que queremos evoluir na vida, não é assim que nos contentaremos em seguir a Cristo! Precisamos desestacionar! O Espírito quer nos mover, por que teimar em ficar paralisado, endurecidos, centrados em nós mesmos, focados nas nossas quedas? Levantemos, irmãos! Saiamos de nossas comodidades! Circuncidemos nossos corações e nossos ouvidos e, a partir de agora, paremos de uma vez por todas de resistir ao movimento do Espírito em nossas vidas! Renunciemos a toda imobilidade, espiritual ou humana em geral, tomemos nossas cruzes e sigamos o Mestre! Seguir implica em sair do lugar: avante! Obedeçamosas advertências do nosso Papa Francisco nessa mesma homilia citada acima: “Não oponhamos resistência ao Espírito. É Ele que nos liberta. Caminhemos na estrada da docilidade do Espírito Santo, no caminho da santidade da Igreja!”

É difícil? Claro! Se fosse fácil, o Reino de Deus já estaria implantado plenamente, mas não, não é fácil... É impossível? Com o Espírito, eu creio com toda fé: nada é impossível! Então repito as palavras de Moisés Azevedo, fundador da Comunidade Shalom: “Sim, Pai, não é fácil! Mas EU DESEJO, EU QUERO, EU VOU!”