8 de junho de 2011

Salmo 2


(Salmo da realeza com perspectiva messiânica, que celebra a entronização de um rei da dinastia davídica, portadora da promessa divina, à qual está vinculada a promessa de Deus com o povo eleito. Por ter o Messias relação de filiação com Deus, seu reino, que transcende os limites do povo de Israel, terá que enfrentar oposição sistemática, revolta geral, e luta implacável das forças do mal, até alcançar a vitória completa no juízo final.)*

1. Por que tumultuam as nações? Por que tramam os povos vãs conspirações?

2. Erguem-se, juntos, os reis da terra, e os príncipes se unem para conspirar contra o Senhor e contra seu Cristo.

3. Quebremos seu jugo, disseram eles, e sacudamos para longe de nós as suas cadeias!

4. Aquele, porém, que mora nos céus, se ri, o Senhor os reduz ao ridículo.

5. Dirigindo-se a eles em cólera, ele os aterra com o seu furor:

6. Sou eu, diz, quem me sagrei um rei em Sião, minha montanha santa.

7. Vou publicar o decreto do Senhor. Disse-me o Senhor: Tu és meu filho, eu hoje te gerei.

8. Pede-me; dar-te-ei por herança todas as nações; tu possuirás os confins do mundo.

9. Tu as governarás com cetro de ferro, tu as pulverizarás como um vaso de argila.

10. Agora, ó reis, compreendei isto; instruí-vos, ó juízes da terra.

11. Servi ao Senhor com respeito e exultai em sua presença; prestai-lhe homenagem com tremor, para que não se irrite e não pereçais quando, em breve, se acender sua cólera. Felizes, entretanto, todos os que nele confiam.

* Comentários da Bíblia Sagrada, Ed. Vozes.