2 de junho de 2012

Ter fé na Vontade de Deus




Quando eu era pequena, tinha um medo danado de rezar o Pai Nosso, por causa da parte que diz: “Seja feita a Vossa Vontade, assim na terra como no céu”. Eu ficava imaginando: “E se a vontade de Deus representar dor, sofrimento para mim? Aí eu não quero! Não quero que a Vontade Dele seja feita”...  E na minha cabeça de criança, tudo o que eu pedisse a Deus em oração aconteceria! Se eu continuasse a rezar o Pai Nosso e continuasse dizendo “Seja feita a Vossa Vontade”, esta iria acontecer com 100% de certeza! Que medo que eu ficava! Muitas vezes me calava nessa parte...

 Eu fazia um link com certas vontades da minha mãe e do meu pai a meu respeito. Eles diziam que era para o meu bem, pois me amavam e queriam o melhor para mim, mas certas vontades deles eu não gostava, tipo dormir cedo, comer verduras, tomar vacina, etc... Eu sempre me apegava aos pontos negativos e esquecia que muitas vontades deles não eram ruins e de fato, visavam o meu bem estar, minha saúde, meu crescimento, minha felicidade, como me incentivar a leitura, promoverem o meu lazer, me acompanhar nos esportes... tudo isso também era vontades deles e eu gostava! É que em nossa teimosia, rejeitamos as vontades que não são as nossas, ainda que essas vontades alheias seja boas para nós! 

Hoje em dia, depois de amadurecer um pouco (como pessoa e também na caminhada de fé), posso dizer com toda a sinceridade que colocar tudo na Vontade Dele me dá profunda paz... É uma confiança que não é mérito meu, tipo: "eu fiz uma força danada pra confiar e hoje em dia estou num nível que já consigo me controlar e confio em Deus"... Não. Essa confiança simplesmente vem, por graça Dele mesmo: é o dom da Fé que eu pedi e peço sempre, e Ele me dá. E dá a todos que pedirem! É uma capacidade sobrenatural dada por Deus, não é algo que trabalhemos dentro de nós, embora precisemos estar sempre vigilantes na fé, abertos ao dom.


A Fé tem 3 aspectos:
1.       Acreditar: Que Ele existe, que Ele vive, que tudo o que fez e falou é real, é verdade, é sério (pela sua Palavra, ou através da Igreja no Magistério);
2.       Confiar: Que Ele está presente, que me ama, que não vai me deixar na mão, que Ele quer o melhor para mim. Penso que se parece um pouco a relação que temos com algum familiar ou amigo fiel: sabemos que nunca farão nada de propósito para nos sacanear, ou magoar, ainda que possam nos frustar em nossas expectativas ou fazer algo que não gostemos... Ainda que Deus nos diga NÃO, nos permita sofrer ou tenha planos que exigirão muito de nós, temos a certeza de que tudo está nas mãos Dele, que tudo ficará bem, que Ele estará sempre conosco.
3.       Depender: Depois de ter acreditado e confiado, nos abandonamos Nele, ficamos tranquilos, desestressados, esperamos por Ele, por sua ação, por seu encaminhamento, por seu possível e por seu impossível. E, por que acreditamos e confiamos Nele, não perdemos a paz, ainda que Ele não faça o que pedimos, não nos dê o que queremos.

Muitas vezes tememos viver a vida inteira buscando entender a vontade de Deus em nossa história, em nossa vida e o fato de não termos controle ou o conhecimento total dessa Vontade nos deixa aflitos. Nos angustiamos pois temos muitos planos e sonhos em nossos corações e várias vezes não sabemos se devemos pedir para que nossos anseios se realizem ou se para que a Vontade de Deus se cumpra em nós. 

Realmente São Paulo e São Tiago tem razão quando dizem que não sabemos como rezar:
“Não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém.” Romanos 8, 26
“Pedis e não recebeis, porque pedis mal.” Tiago 4, 3

Por isso Jesus nos deixou uma fórmula excelente, sem erro, o Pai Nosso. Nesta oração perfeita, temos o modelo:
·         Em 1º lugar, o louvor que compete a nós e Ele merece: “Pai Nosso que estais no Céu, santificado seja o vosso nome”;
·         Antes de qualquer coisa, o Reino de Deus, pois tudo o mais nos será acrescentado: “Venha nós o Vosso Reino”;
·         Antes de qualquer coisa que precisamos ou que passa em nossa cabeça pedir, a Vontade Dele, antes de tudo: “Seja feita a Vossa Vontade! Seja essa Vontade feita nesta terra da mesma forma que ela já é realizada e plena no Céu!”
·         Depois, devemos pedir? Claro!!! Ele é Pai! Se nós, sendo maus, sabemos dar boas coisas aos nossos filhos, quanto mais o Pai que está no Céu dará boas coisas aos que lho pedirem! (Mt 7, 11) Podemos pedir! “O pão nosso, perdão, não nos deixe cair, nos proteja, etc, etc...)

Podemos ter nossos sonhos, nossos planos, pedir por eles? Absolutamente sim!

“Cabe ao homem formular projetos em seu coração, mas do Senhor vem a resposta da língua. Todos os caminhos parecem puros ao homem, mas o Senhor é quem pesa os corações.       Confia teus negócios ao Senhor e teus planos terão bom êxito.” (Prov 16, 1-3)

Minha experiência é a seguinte: Deus é meu Pai, assim sendo, eu posso ser filha Dele. O que eu quero dizer com isso? 
Eu peço TUDO a Ele, TUDO: o que eu quero, o que eu não quero, o que eu preciso, o que eu não preciso, o que faz sentido, o que talvez não faça sentido nenhum para os outros, o que é assunto meu e o que não é, o que eu mereço e o que eu não mereço, o que eu compreendo e o que eu não compreendo, o possível e o impossível. 
Pedir, eu peço. Sinto que posso argumentar com Ele, que posso explicar meus motivos, que não preciso excluir nada desse diálogo, ainda que eu tenha a consciência de que Ele saiba todas essas coisas muito melhor que eu mesma... 
Eu peço, peço, insisto, penso que às vezes até devo ser inconveniente como a viúva de Luc 18, 1-8, mas eu peço. 
Sigo o exemplo de Maria em minha oração pergunto: “Como isso se dará?” E espero ser coberta pelo Espírito (Luc 1, 34-35) e encaminhada por este Espírito, para no fim me reconhecer simples serva, pronta para a sua Vontade: algumas vezes Sua Vontade é difícil, outras vezes é boa e agradável. Por que essa visão de que a Vontade de Deus vai ser sempre um sacrifício doloroso? Credo! Que negativismo, que pessimismo! 
Peço, peço, peço... E depois de apresentar tudo ao Senhor, rezo como Jesus no Horto das Oliveiras, na véspera do seu assassinato, do seu Santo Sacrifício (Mt 26, 39): "Meu Pai, se é possível, atenda a minha oração, realiza a minha vontade, realize o meu sonho! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres." 

A confiança que depositamos Nele é esta: em tudo quanto lhe pedirmos, se for conforme à sua vontade, ele nos atenderá. (1 Jo 5, 14)
Lanço no Senhor minhas dúvidas e ansiedades, minhas preocupações, minhas necessidades, meus projetos, meus anseios e fico tranquila, pois sei que Ele tem cuidado de mim. (1 Ped 5, 7)

Com toda a franqueza: os momentos em que mais senti a presença de Deus em minha vida, foram alguns momentos em que Ele me disse um grande e sonoro NÃO! Foram momentos de enorme sofrimento: o que eu pedia eram coisas justas, boas, absolutamente necessárias e importantes (na minha opinião, pelo menos), e ainda que eu tenha pedido insistentemente, com fé, ainda que tenha sempre procurado “andar na linha com Ele”, Ele me disse NÃO. 
Nesses momentos tive a honra de me identificar com Jesus, suando sangue minutos antes de ser entregue aos seus assassinos por meio de seu traidor: pedimos ao Pai, eu e o Senhor Jesus, algo vital, importantíssimo, e recebemos Dele um NÃO, mesmo que tivéssemos desejado um SIM com toda as forças de nossa alma, com toda a intensidade da nossa fé... E com nossas perdas e tristezas de morte, permanecemos na Vontade Dele.

Às vezes lemos na Bíblia: "Se tiveres fé do tamanho de um grão de mostarda direis a esta montanha: Transporta-te daqui para lá e ela irá; e nada vos será impossível (Mt 17, 20), e interpretamos que ter fé é conseguir coisas de Deus e se não as conseguimos, começamos a duvidar da eficácia da oração, do amor de Deus, da nossa própria fé. Não é nada disso! Ter fé é pedir, insistir e esperar as três respostas possíveis Dele: Sim, Não ou Talvez (ainda não).
Ter fé é isso: continuar amando, acreditando, confiando, mesmo quando não recebemos a resposta que queríamos. Quem tiver ESSE TIPO DE FÉ, esse sim, transportará montanhas, ressuscitará dos mortos, e muito mais! 


Às vezes ficamos inseguros se devemos, em oração, pedir por nossos sonhos ou pela Vontade Dele. Acho que para mim agora está claro que podemos sim pedir por nossos sonhos, em seguida complementar com um sincero e confiante “mas não se faça o que eu quero, mas A SUA VONTADE EM MIM” e por fim continuar a nossa vida de seguimento da Sua Santa Vontade, com simplicidade e humildade, em nosso dia-a-dia.

Como fazer para que a vontade de Deus se estabeleça em nós, como saber o que é essa Vontade na prática?
1.       Lendo a Palavra de Deus, lá está escrito o fundamento da Vontade de Deus para todo e qualquer cristão, ali está a “lista completa das nossas obrigações”, que necessariamente precisamos tomar conhecimento para andar na Vontade Dele;
2.       Conhecendo o esclarecimento que a Igreja dá sobre essa Palavra, a Santa Tradição e o Sagrado Magistério (Catecismo da Igreja Católica, documentos da Igreja, etc), que são a interpretação segura da Fé, posto que muitas coisas da Palavra precisam mesmo ser explicadas, contextualizas na realidade atual, para que entendamos e posto que a própria Bíblia ensina que nem tudo está contido nela (Jo 21, 25, 3 Jo 13) e que tudo precisa da interpretação da Igreja (2 Tes 2,2; 2 Tm 2,2 e 2 Ped 3, 16);
3.       Tendo vida de oração (individual e comunitária) e aperfeiçoando a “escuta de Deus”, pois Ele fala, como diz aquela música do Márcio Todeschine da CN, “na Palavra, no irmão, na minha oração” e eu acrescento também que Deus fala muitas vezes pelos acontecimentos.

Esses conselhos são muito generalizados, mas é impossível saber a Vontade de Deus para nós sem essa base. Só nos aprofundando no conhecimento de Deus, na vida de oração, na busca pela santidade poderemos saber as “particularidades da Vontade de Deus” na especificidade da nossa vida.

Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito. (Rom 12, 2) 

Claro que é muito improvável que ouçamos uma Voz potente, em meio a Nuvens e Relâmpagos, com o céu aberto sobre nós, uma pomba nos sobrevoando e um grande clarão, etc, etc... As coisas de Deus não podem ser esquadrinhadas cartesianamente, as Vontades de Deus não virão a nós como uma bula de remédio ou uma receita de bolo. É tudo um contexto, uma vivência, uma relação de amor. Não podemos esperar uma resposta exata do que não é natural, mas sobrenatural! Tudo é processo... 

Só aprenderemos a orar, orando. Só aprenderemos crer, crendo. 
Buscar é o primeiro passo, por isso nunca deixemos de buscar! 

Não podemos agir como se tudo dependesse de alguma coisa que nós fizéssemos: EU preciso saber qual é a Vontade Dele, EU preciso orar como convém, EU preciso aprender a ouvir a voz de Deus... E Ele?!! PRECISAMOS DAR LICENÇA E DEIXAR ELE AGIR!!! 

Precisamos procurar saber no que devemos crer (ler a Bíblia, estudar a Tradição e o Magistério); precisamos confiar mais Nele (isso só rola quando a gente estreitar mais a nossa “amizade” com Ele, tornar mais íntima nossa relação, afinal, é assim que passamos a confiar nos outros!) e, por fim, precisamos nos acalmar, nos colocar na dependência Dele, esperar, nos abandoar: tenho certeza absoluta que Ele jamais vai nos deixar na mão, ainda que a nossa vontade e a Vontade Dele não coincidam. 

Não tenhamos medo da Vontade Dele como eu tinha na minha infância, entre a Dele e a nossa, prefiramos a Dele, sempre!... Não nos apeguemos tanto aos nosso sonhos, aos nossos projetos: o que Deus tem pra nós é sempre, SEMPRE muito melhor do conseguimos imaginar para nós mesmos! Tudo passa! Quantas vezes nossas vontades já passaram, já mudaram? A gente muda de ideia, mudam-se as situações, nossas vontades não são imutáveis: por que então colocá-las acima da Vontade de Deus?

O mundo passa com as suas concupiscências, mas quem cumpre a vontade de Deus permanece eternamente. (1Jo 2, 17) 

É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam. (1 Cor 2, 9)
Façamos como Maria, respondamos sempre: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a Vossa Vontade”. 
Façamos como Jesus, oremos sempre: "Meu Pai, se é possível, atenda a minha oração, realiza a minha vontade, realize o meu sonho! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres."
Impossível não agradar a Deus agindo assim!
Não tem erro. Vai com fé, que o bizú é forte! J

.