30 de dezembro de 2013

Examine qual é o centro da sua oração



1) EU - Oração totalmente centrada no "eu", só o "eu" importa. Não é oração, pois não há lugar para Deus.
Exemplo: a oração do fariseu.
O fariseu, em pé, orava no seu interior desta forma: Graças te dou, ó Deus, que não sou como os demais homens: ladrões, injustos e adúlteros; nem como o publicano que está ali. (Lc 18, 11)

2) EU E DEUS - Oração centrada no "eu" - nas minhas necessidades, na minha vida, nos meus pecados, nos meus sofrimentos, nas minhas vitórias -, embora Deus faça parte da oração. 
Exemplo: a oração do publicano.
O publicano, porém, mantendo-se à distância, não ousava sequer levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem piedade de mim, que sou pecador! (Lc 18, 13)

3) DEUS E EU - Oração centrada em Deus - no Seu louvor, na sua honra, no Seu poder -, embora o "eu" faça parte da oração. 
Exemplo: a oração de Daniel
Ah! Senhor, Deus grande e temível, que sois fiel à aliança e que conservais vossa misericórdia àqueles que vos amam e guardam vossos mandamentos: nós pecamos, prevaricamos, cometemos maldade, fomos recalcitrantes, desviamo-nos de vossos mandamentos e de vossas leis. Não escutamos vossos servos, os profetas, que falaram em vosso nome a nossos reis, a nossos chefes, a nossos antepassados e a todo o povo da terra. (Dn 9, 4b-6)

4) DEUS - O "eu" desaparece, e só Deus importa: o que Ele fala, o que Ele deseja, o que Ele é. Só importa louvá-Lo, adorá-Lo, amá-Lo, exaltá-Lo e estar imerso no Seu amor.
Exemplo: a oração de São Paulo
Ó abismo de riqueza, de sabedoria e de ciência em Deus! Quão impenetráveis são os seus juízos e inexploráveis os seus caminhos! Quem pode compreender o pensamento do Senhor? Quem jamais foi o seu conselheiro? Quem lhe deu primeiro, para que lhe seja retribuído? Dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele a glória por toda a eternidade! Amém. (Rm 11, 33-36)

Extraído do livro "Perseverai no amor de Deus, de Maïsa Castro, Ed. Raboni.