6 de setembro de 2011

Salmo 4


(Súplica em que predomina a expressão de confiança. Em meio à dura aflição o salmista dirige a sua oração vespertina a Deus, confiado em sua ajuda, já experimentada no passado. À base dessa convicção, admoesta os homens influentes a não se deixarem enredar nas intrigas palacianas, mas a reconsiderarem a sua conduta e restaurarem a sua confiança em Deus pela meditação particular e pela participação na liturgia comunitária. O ceticismo dos amigos derrotistas contrasta com a paz interior do salmista e sua confiança em Deus.)*

1.Ao mestre de canto. Com instrumentos de corda. Salmo de Davi.

2.Quando vos invoco, respondei-me, ó Deus de minha justiça, vós que na hora da angústia me reconfortastes. Tende piedade de mim e ouvi minha oração.

3.Ó poderosos, até quando tereis o coração endurecido, no amor das vaidades e na busca da mentira?

4.O Senhor escolheu como eleito uma pessoa admirável, o Senhor me ouviu quando o invoquei.  

5.Tremei, mas sem pecar; refleti em vossos corações, quando estiverdes em vossos leitos, e calai.  

6.Oferecei vossos sacrifícios com sinceridade e esperai no Senhor.

7.Dizem muitos: Quem nos fará ver a felicidade? Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz de vossa face.

8.Pusestes em meu coração mais alegria do que quando abundam o trigo e o vinho.

9.Apenas me deito, logo adormeço em paz, porque a segurança de meu repouso vem de vós só, Senhor.


*(Comentários da Bíblia, Ed.Vozes)