13 de março de 2012

Salmo 87




(Lamento individual de um enfermo que, vitimado desde a juventude, por um mal incurável, foi afastado do convívio social e do círculo de parentes e amigos. Em tom deprecatório e dor intensa, expõe-lhe sua triste situação, solicitando da Onipotência Divina, um milagre que o livre da morte segura. Tem consciência de que a enfermidade e a morte revelam a ira de Deus, como resposta á rebeldia humana. O Salmista termina a sua oração renovando a súplica a Deus com insistência redobrada e profunda tristeza: ele se sente só, sem amigos: seus familiares são as trevas. Este é o único Salmo que não termina com uma palavra de confiança.*)

1.Cântico. Salmo dos filhos de Coré. Ao mestre de canto. Em melodia triste. Poema de Hemã, ezraíta.
2. Senhor, meu Deus, de dia clamo a vós, e de noite vos dirijo o meu lamento.
3. Chegue até vós a minha prece, inclinai vossos ouvidos à minha súplica. 
4. Minha alma está saturada de males, e próxima da região dos mortos a minha vida. 
5. Já sou contado entre os que descem à tumba, tal qual um homem inválido e sem forças. 
6. Meu leito se encontra entre os cadáveres, como o dos mortos que jazem no sepulcro, dos quais vós já não vos lembrais, e não vos causam mais cuidados. 
7. Vós me lançastes em profunda fossa, nas trevas de um abismo. 
8. Sobre mim pesa a vossa indignação, vós me oprimis com o peso das vossas ondas. 
9. Afastastes de mim os meus amigos, objeto de horror me tornastes para eles; estou aprisionado sem poder sair, 
10. meus olhos se consomem de aflição. Todos os dias eu clamo para vós, Senhor; estendo para vós as minhas mãos. 
11. Será que fareis milagres pelos mortos? Ressurgirão eles para vos louvar? 
12. Acaso vossa bondade é exaltada no sepulcro, ou vossa fidelidade na região dos mortos? 
13. Serão nas trevas manifestadas as vossas maravilhas, e vossa bondade na terra do esquecimento?
14. Eu, porém, Senhor, vos rogo, desde a aurora a vós se eleva a minha prece.
15. Por que, Senhor, repelis a minha alma? Por que me ocultais a vossa face?
16. Sou miserável e desde jovem agonizo, o peso de vossos castigos me abateu.
17. Sobre mim tombaram vossas iras, vossos temores me aniquilaram.
18. Circundam-me como vagas que se renovam sempre, e todas, juntas, me assaltam.
19. Afastastes de mim amigo e companheiro; só as trevas me fazem companhia...


*(Comentários da Bíblia, Ed.Vozes)